[Nova campanha] Dezembro Negro

Nossxs companheirsx do Chile chamaram uma campanha transnacional, o Dezembro Negro, para lembrarmos que esse mês é marcado a fogo pela memória dos insurgentes anarquistas que se ergueram contra toda forma de poder. Em Dezembro de 2008, o camarada Alexandros Grigoropoulos foi assassinado pela polícia nas ruas de Exarcheia, Atenas. 5 anos depois, em Dezembro de 2013, o camarada Sebastián Oversluij foi abatido por um segurança privado – um mercenário do Capital – quando participava da expropriação de um banco no Chile. Esse Dezembro marcam 9 meses do assassinato de Marielle Franco, uma brutalidade que permanece (e permanecerá) sem perpetrador enquanto houver interesse dos donos do poder.

Em todo o mundo e por toda a história, por sermos aqueles que fazem oposição mais direta ao Estado e ao Capital, por sermos aqueles que mantém a ética oposta à jesuítica – que acredita que os fins justificam os meios -, por lutarmos pela autonomia e pela igualdade, somos nós anarquistas as primeiras a sofrer o braço pesado da repressão quando a crise se acirra. Nesse Dezembro Negro, iniciamos uma série de textos, cartazes, materiais de leitura, e livretos para apoiar a defesa contra a polícia e contra as forças de repressão. Do apoio ao abolicionismo penal a dicas sobre como responder à polícia, passando pela análise das milícias e outras forças extra-oficiais do aparato estatal, nesse Dezembro Negro nos juntamos aos/às camaradas do Chile e alhures na autodefesa da luta anarquista e ácrata.

Iniciamos divulgando o livreto “7 mitos sobre a polícia”, produzido pela crimethinc. Extremo Sul. Baixe aqui a cópia para leitura digital ou cópia para impressão

[Nova campanha] Subvertisement contra Havan

A história da promiscuidade entre a grande burguesia e o fascismo já é antiga, e foi apontada por diversos teóricos, de Trotsky a Malatesta. O bolsonarismo conta com o apoio aberto ou oculto de diversos empresários. Dentre elas, a que causou mais impacto foi o apoio declarado de Luciano Hang, dono das Lojas Havan, que, como bom patrão, iniciou uma campanha online e offline para coagir os trabalhadores a votarem no fascista. Iniciamos aqui uma campanha de subvertising, com cartazes para serem impressos em tamanho A3, bem como imagens para compartilhamento em WhatsApp e outras ferramentas de mensagem instantânea[1].

Continue reading “[Nova campanha] Subvertisement contra Havan”

O terrorismo estocástico de Bolsonaro e o fascismo transversal

“Terrorismo estocástico” é o uso de meios de comunicação em massa para demonizar grupos ou indivíduos, resultando na incitação de atos violentos de maneira estatisticamente previsível, mas individualmente imprevisível. A ideia é que seria possível a um agente mal-intencionado usar a Internet e outros meios de comunicação em massa para incitar perpetradores aleatórios, desconhecidos do agente, a cometer atos de violência. Como a relação de causa-e-efeito não é certa, diz-se que há previsibilidade estatística de que o ato de terrorismo irá ocorrer, mas é impossível prever individualmente quem será o perpetrador ou quando o ato irá ocorrer. O incitador pode então limpar as mãos.

Continue reading “O terrorismo estocástico de Bolsonaro e o fascismo transversal”

Um manual de segurança digital para ativistas

São tempos sombrios pelo mundo inteiro; no Brasil, a ameaça do fascismo lança sombras desde o Estado até os indivíduos. Se, por um lado, Jair Bolsonaro representa a possibilidade de um Estado ditatorial – principalmente pelas suas conexões com o Exército -, seus seguidores também representam o “fascismo transversal”, esse fascismo da vida cotidiana dos “homens de bem”. De maneira importante os fascistas também estão se tornando muito mais sofisticados tecnicamente; é só ver os ataques que são feitos a partir dos chans. Por isso, é extremamente importante que nós ativistas nos apropriemos das ferramentas de segurança digital.Esse manual foi construído com base em diversos outros materiais que existem na Internet. Por exemplo, o DIY Feminist Cybersecurity Guide; o Kit de Primeiros Socorros de Segurança Digital para Defensores dos Direitos Humanos; o Guia de Cultura de Segurança; o Manual para Ativistas, produzido pelo Organizing for Autonomous Telecomms e traduzido pela Editora Monstro dos Mares; o Pequeno manual de segurança digital e o manual Cultura de segurança: Autodefesa na era digital, da Frente Antifa; e o Guia Paranóico de Segurança em Tempos Digitais. É preciso dar crédito a todas essas pessoas, das quais roubamos descaradamente.

PONTO IMPORTANTE: ESSAS INFORMAÇÕES SÃO VÁLIDAS PROVISORIAMENTE. PROCURE AS INFORMAÇÕES MAIS ATUALIZADAS!

Continue reading “Um manual de segurança digital para ativistas”

Como sobreviver ao fascismo

Postagem circulando em twitter, em nome de “Alex Prouchnoj”

 

1. Em primeiro lugar, calma. O medo é natural e inevitável. O importante é evitar o segundo estágio: o pânico. Porque o pânico gera ações irracionais que só agravam o problema da segurança. Reconheça as ameaças, mas não aumente o valor delas. Não difunda videos que mostrem o adversário em posição de superioridade. Exceto se for para denunciar uma violência que você sabe ser real. Não difunda mensagens pessimistas e de medo. Nem bazófias autossuficientes de heróis de teclado que nada farão. Seja discreto.

2. seja discreto. Se possível saia de algumas redes sociais. Informe-se com os companheiros anarquistas sobre segurança digital. Se tiver que usar para trabalhos escolares ou relações pessoais, não poste coisas polêmicas, mas também não fique em grupos emq ue haja fascistas declarados. Eles sabem sua opinião, vão provocá-lo. Mesmo se for um parente seu, pode inadvertidamente denunciar você para alguém que conhece seu patrão, por exemplo.

3. Não faça atividade política sozinho. Não vista roupas com mensagens revolucionárias sozinho. Não aceite provocações na rua. Especialmente em bares e festas. Ali, todos poderão estar animados por drogas para exercitar mais a violência. Mas, de novo, também não fique em pânico. Fascistas são covardes. Não agridem sozinhos, apenas em bandos. Desvie de bandos. Não rebata ofensas, mas não se deixe humilhar. Vá embora. Não ameace ninguém. Se preciso, pode se vingar, mas não avise antes, por supuesto.

4. Faça reuniões mensais com pessoas que pensam como você. Isso reforça a sensação de que não está só. Busque alegria em jantares e pequenas festas. Evite as grandes. Seja solidário com companheiros perseguidos, mas faça como Cristo manda: ninguém precisa saber que você ajudou.

5. Sem prejuízo de outros, leia livros de quem enfrentou o fascismo: Durruti, Stalin, Trotsky, Gramsci, Dimitrov e, especialmente, Togliatti. Não tenha preconceito ideológico agora. Só com a extrema direita.

6. Cuide da saúde física também. Faça algum esporte leve pelo menos. Caminhada, bicicleta. Sinta o vento ao rosto. Beba com moderação. Encha a cara de vez em quando com os amigos. De preferência em locais já bem conhecidos.

7. O fascismo no Brasil vai ficar por algum tempo na sua primeira fase. Aquela de Mussolini entre 1922 e 1926. Com parlamento funcionando, mas com violências dispersas, perseguições, delações, achincalhamento virtual, invasão de espaços culturais e universitários por bandos de energúmenos, agressões físicas, repressão a manifestações públicas e assassinatos de pobres na periferia. Eu sei que isso já acontecia, mas agora é outro patamar. Mas haverá espaço para crítica e este é o problema que comentaremos no pŕoximo item.

8. O espaço de crítica tem que ser usado com cuidado. Os fascistas marcarão o que você diz. Se considerarem que ameaça seu poder, reagirão. Por isso, apareça menos. Procure reforçar suas ideias lateralmente, com temas menos explícitos. Participe de instituições de sua categoria mesmo dirigidas por reacionários e observe. No cotidiano, converse com as pessoas sem agressividade. Ouça. Avalie seu interlocutor. Se ele for militante fascista, abandone-o. Se for um apoiador indeciso, introjete em sua mente conteúdos críticos. Para que ele vá além da aparência. Dialética é isso. Diálogo mais contradição. Não há ideologia sem o seu contrário. E se for uma pessoa democrata, busque consensos em torno disso, como explicarei no próximo item.

9. Uma derrota histórica da esquerda, joga também os liberais e conservadores democratas no mesmo terreno que nós. Assim como o golpe de 2016 fez a classe trabalhadora recuar e abandonar as novas formas de ação política, agora ela vai se agarrar ao mínimo comum: a democracia que lhe garante um terreno para defender os seus direitos. Com os trabalhadores devemos falar de democracia e economia porque eles são mais inteligentes. Com a pequena burguesia democrática devemos falar de democracia porque além disso teremos divergências inoportunas.

10. Nada está perdido. Confie na história. Já houve momentos piores. Estamos num ciclo recessivo associado à derrota de um ascenso político de esquerda. Leia poemas e mensagens otimistas de Mao, Ho Chi Minh, Brecht, as Instruções para esquivar o mau tempo de Paco Urondo e outros. Cuidado ao portar livros porque fascistas não leem e desconfiam de leitores. Use capas anódinas, cobertas de outro papel. Mas não desista, o fascismo é em si mesmo uma reação desesperada de uma classe agonizante. Parece eterno. Não é. Será derrotado como o foi em todas as outras ocasiões da história.