Iniciando um grupo de apoio mútuo

(Esse texto é uma tradução e adaptação de https://aarpcommunityconnections.org/start-group)

 

Os grupos de apoio mútuo são grupos informais de voluntários que ajudam a comunidade a se conectar durante períodos de crise, garantindo que ninguém tenha que enfrentar a crise por si só. Isso inclui ajuda para uma série de coisas, desde fazer compras para a vizinhança até checar se todes estão saudáveis. Esse guia vai te ajudar a criar um grupo de apoio mútuo e a pensar como apoiar as ações da sua comunidade.

 

1. Encontrando pessoas para ajudar

Talvez alguns de vocês já estejam organizades em grupos. Um grupo de afinidade é um sistema que pode ser aplicado como sustentação para redes de apoio mútuo sem nenhuma dificuldade.

Você e seus amigos já constituem um grupo de afinidade, o bloco deconstrução essencial desse modelo. Um grupo de afinidade é um cír-culo de amigos que se entendem como uma força política autônoma. Aideia é que as pessoas que já conhecem e confiam umas nas outras traba-lhem juntas para responder de forma imediata, inteligente e flexível asituações emergentes

“Grupos de afinidade: Blocos de montar da organização anarquista”: CrimethInc / Coletivo Planètes

Se esse não for o caso, identifique companheiras e companheiros que possam ajudar com o trabalho. Ajudar a organizar um grupo de apoio mútuo é muito mais fácil e divertido se você tiver a ajuda de outras pessoas, que podem te ajudar a iniciar o grupo, a ter ideias interessantes, a conseguir recursos, e a formar novas relações.

Para identificar as pessoas que podem te ajudar, pergunte-se:

  • Quais são as pessoas que conheço em minha vizinhança, comunidade, prédio, ou quadra?
  • Quais são as pessoas que conheço que tem habilidades ou recursos importantes e úteis para começar esse grupo (p. ex., administração de dinheiro, facilidade com tecnologia, acesso a um veículo)?

 

2. Iniciando o planejamento

Trabalhe com compas para estabelecer algumas coisas básicas:

1) Determine o foco do seu grupo

  • Quem são as pessoas que vocês querem apoiar?
  • Comece com um grupo pequeno; de 5 a 15 pessoas é ideal.
  • Foquem-se no seu bloco, quarteirão, vizinhança, ou até mesmo no prédio em que mora.
  • Equilibre sua capacidade física e emocional para conseguir maximizar o seu impacto. Vocês sempre podem expandir as atividades uma vez que as coisas estejam andando, não se preocupe em “começar grande”.

2) Avalie necessidades e recursos em potencial

Tente descobrir como as pessoas na sua comunidade estão sendo impactadas pela crise que estão passando. Do que as pessoas precisam? O que as outras pessoas podem oferecer? Esses tipos de pergunta ajudam o grupo a identificar a melhor forma de apoiar uns aos outros, e são uma boa oportunidade de construir relações. Outras perguntas importantes para considerar:

  • Quem vive na sua comunidade? Como essas pessoas estão sendo impactadas pela crise atual?
  • Com o que as pessoas estão sofrendo? De que apoio precisam?
  • Que recursos as pessoas tem a oferecer?
  • Quem está interessado em entrar no grupo?

 

3. Crie o seu grupo

Desenvolva um “núcleo duro”. Você pode precisar de algumas pessoas que trabalhem mais do que as outras, ou que tenham algumas habilidades específicas. As afinidades são a fundação do apoio mútuo, então lembre-se que todo mundo está sendo impactado pela crise, e cada um tem uma experiência diferente. Você pode se perguntar: “como esse núcleo duro pode apoiar-se, ao mesmo tempo em que apóia às outras pessoas?”

Estabeleça acordos da comunidade. Os acordos ajudam os grupos a criarem uma forte cultura de trabalho coletivo, de manter a segurança de todes, e de respeitar a todes. Pergunte ao grupo: “De que maneira queremos trabalhar coletivamente? O que é importante para cada pessoa que ajuda a construir esse grupo?”

Determine papéis. Os papéis garantem que todo mundo tenha clareza de como podem contribuir. Distribuir tarefas importantes por todo o grupo ajuda todes a sentirem-se parte importante da equipe. Sugerimos considerar pessoas para os seguintes papéis:

  • Coordenadores: Conduzem as reuniões, gerenciam a comunicação dentro do grupo, asseguram que todo o grupo está trabalhando em conjunto.
  • Comunicação: Coordenam a divulgação e a comunicação, tais como a postagem de panfletos, a criação de posts nas mídias sociais, a ligação para os vizinhos.
  • Voluntários: Um grupo mais amplo de pessoas que oferecem serviços e apoio.
  • Logística: Reúnem e distribuem materiais. Ajudam no atendimento das demandas tecnológicas.

 

4. Crie um sistema de apoio

Escolha uma forma de se comunicar. Manter a comunicação regular com o grupo interno é importante. Decidam a(s) plataforma(s) que melhor se ajustam às necessidades do seu grupo. Cada serviço tem suas vantagens e desvantagens, e você pode se perguntar: com quais ferramentas as pessoas do meu grupo estão familiarizadas? Quais plataformas vão nos ajudar mais a fazer o trabalho?

Plataformas possíveis: Grupo de Facebook, Google Docs, Google Group, Slack, pads, mensageiros.
Criar um sistema para atender às necessidades e solicitações com ofertas de suporte. Essas são algumas formas de fazer isso:

  • Crie um grupo do Facebook ou website simples.
  • Crie um formulário de solicitação de assistência e voluntários.
  • Use um número de telefone (“hotline”) para que as pessoas possam ligar ou deixar uma mensagem de voz.
  • Use um modelo de panfleto, ou crie o seu próprio cartaz, e distribua e cole nas mercearias, farmácias, parques, etc.

 

5. Comunique e divulgue

Comece a divulgar para que o seu apoio seja disponibilizado e para que você possa identificar novos participantes. Use múltiplas estratégias de divulgação para assegurar que você está se conectando com as pessoas que mais precisam de apoio:

  • Ligue e mande e-mail diretamente para as pessoas.
  • Distribua os panfletos e cole cartazes.
  • Faça postagens nas mídias sociais.
  • Peça aos líderes comunitários que falem com as pessoas sobre o seu grupo.

 

6. Comecem a apoiar-se uns aos outros

Faça corresponder pedidos de assistência com voluntários. Tenha em mente que algumas pessoas podem não se sentir confortáveis pedindo ajuda ou recebendo ajuda, portanto não deixe de respeitar a privacidade das pessoas ao compartilhar informações. Verifique com os voluntários e pessoas que pedem apoio após um serviço ter sido prestado e certifique-se de que suas necessidades estão sendo atendidas.

Identifique oportunidades para apoiar e tomar medidas para ajudar os necessitados. Isto pode exigir alguma criatividade e empatia com as pessoas do seu bairro e com os mais necessitados.

Maneiras possíveis de ajudar uns aos outros incluem:

1) Ofertas de serviços

  • Entregar compras e suprimentos
  • Realizar tarefas e diligências
  • Cozinhar e entregar refeições
  • Cuidar das crianças e prover serviços educacionais
  • Cuidar dos animais de estimação
  • Captar recursos e pagar contas
  • Apoio com aplicações de serviços sociais (auxílios de emergência, Bolsa-Família, etc.)

2) Apoio emocional

  • Realizar encontros sociais virtuais: noites de jogos, festas culinárias
  • Fazer e compartilhar arte, música, escrita
  • Verificar como estão passando as pessoas que vivem sozinhas
  • Oferecer companheirismo virtual
  • Conectar pessoas com recursos e provedores de saúde mental

3) Informações e recursos

  • Banco de Alimentos
  • Orientações de saúde
  • Atualizações e políticas locais/estaduais
  • Acesso aos serviços sociais (Desemprego, seguro, Previdência Social, etc.)
  • Direitos e leis trabalhistas
  • Direitos e regulamentações habitacionais

     

7. Mantenham-se conectados, mantenham-se flexíveis

Mantenha uma comunicação regular com sua equipe e voluntários. Continue construindo as relações do seu grupo através de check-ins semanais. Certifique-se de incentivar o apoio entre os voluntários para manter as pessoas engajadas.

Seja flexível, pois as condições da pandemia de coronavírus mudam. Continue ouvindo as necessidades da sua comunidade. Mantenha-se atualizado com as diretrizes das organizações de saúde, profissionais ou não. Ajuste a forma como seu grupo está trabalhando para apoiar uns aos outros com base no que você aprender ao longo do caminho.